Um padre de Arceburgo, no sul de Minas Gerais, foi afastado de suas funções sob a acusação de estupro contra uma menina de 14 anos. A vítima, que é coroinha da igreja, aparece em um vídeo sem a blusa sendo beijada e abraçada pelo religioso em uma cama.

Ela e a mãe foram ouvidas pela polícia nesta quinta-feira (27/7) após o vídeo repercutir na internet. Também prestaram depoimentos outros coroinhas da igreja. A gravação teria sido feita em março pela própria vítima, que depois enviou a outro coroinha que divulgou as cenas.

O padre não quis comentar o ocorrido, mas à polícia alegou que apenas passou um óleo na barriga da menina, que teria reclamado de cólica. Nesta semana ele foi transferido para um retiro no interior de São Paulo.

Afastamento

A Diocese de Guaxupé (MG), a qual ele está subordinado, informou que determinou a suspensão “de imediato do referido sacerdote, com o intuito de averiguar os possíveis fatos e acontecimentos”. Em nota, esclareceu ainda que “o objetivo desta medida cautelosa é contribuir para o bem estar da comunidade local e diocesana”.
Por Agência Estado
COMPARTILHAR
Artigo anteriorFesta da Saudade lembra os 28 anos do falecimento de Luiz Gonzaga, em Exu-PE
Próximo artigoMichel Temer comemora resultados da economia nas redes sociais
Paulo Gonçalves Arraes, nasceu em Araripina-PE em 1969, formado em Ciências com habilitação em Biologia pela FAFOPA, com cursos de Instrutor de Trânsito e Diretor de CFC (Auto Escola) pela UPE/Detran-PE, Vereador 1999/2000 (PSB) e 2001/2014 (PPS), Assessoria Política em campanhas eleitorais na Região do Araripe e em 2009 representou Pernambuco no Movimento pela Recomposição das Câmaras de Vereadores no Congresso Nacional em Brasília.