Depois de declarar guerra contra o ministro Bruno Araújo, por não ter sido escolhido como tesoureiro do PSDB-PE, o deputado federal Daniel Coelho entregou, ao correligionário, um pedido de informação sobre toda a movimentação financeira do partido e seus respectivos extratos bancários nos últimos dois anos.

“Fui alvo de perseguição por conta de minhas posições nacionais, onde defendo a saída do PSDB do governo Temer. Por conta disto, fui impedido de ser o tesoureiro do partido. Quero saber o que há de tão misterioso nas contas do PSDB de Pernambuco que me impede de ser o tesoureiro. Eu solicitei esse cargo na Executiva justamente para poder fiscalizar. E, se estão me impedindo de fiscalizar, quero saber se há alguma coisa errada”, destacou Daniel Coelho.

Daniel apresentou ainda dois requerimentos ao presidente do PSDB-PE. Em um deles, solicita cópia do edital de convocação da eleição interna da sigla, cópia da chapa inscrita e cópia autenticada da ata de eleição, bem como das folhas de assinaturas dos livros de atas e coletas de assinaturas que foram utilizadas durante o certame.

No outro documento, Daniel Coelho desautoriza o partido a utilizar de sua imagem ou áudios nas inserções e programas partidários a serem veiculados pelo PSDB-PE em emissoras de rádio e TV.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorSemiárido pernambucano recebe projetos de combate à desertificação
Próximo artigoHumberto diz que marchará com Marília se ela for a candidata do PT
Paulo Gonçalves Arraes, nasceu em Araripina-PE em 1969, formado em Ciências com habilitação em Biologia pela FAFOPA, com cursos de Instrutor de Trânsito e Diretor de CFC (Auto Escola) pela UPE/Detran-PE, Vereador 1999/2000 (PSB) e 2001/2014 (PPS), Assessoria Política em campanhas eleitorais na Região do Araripe e em 2009 representou Pernambuco no Movimento pela Recomposição das Câmaras de Vereadores no Congresso Nacional em Brasília.