Anunciada na semana passada em evento no interior de Alagoas, a candidatura do ex-presidente e atual senador Fernando Collor (AL) à Presidência da República tem o objetivo de garantir a sobrevivência de seu partido, o nanico PTC, por causa das novas regras aprovadas pelo Congresso para que as legendas tenham acesso ao Fundo Partidário e ao tempo de propaganda gratuita no rádio e na TV.

Pela chamada “cláusula de barreira”, aprovada em outubro passado, as legendas deverão atingir pelo menos 1,5% dos votos válidos para a Câmara em 2018 em pelo menos nove Estados ou ter eleito, no mínimo, 13 deputados em nove Estados. Nas eleições de 2014, o PTC ficou longe desse porcentual: teve apenas 0,35% dos votos e só conseguiu eleger dois deputados.

“A candidatura dele é para valer. Não é para fazer de conta. Ela vai ajudar e muito a cumprir a cláusula de barreira”, admitiu o presidente nacional do PTC, Daniel Tourinho, que dirige a legenda desde que ela se chamava Partido da Reconstrução Nacional (PRN), sigla pela qual Collor foi eleito presidente em 1989 e que continuou quando sofreu impeachment em 1992.

A estratégia do PTC é usar a candidatura como atrativo para eleger de 9 a 11 deputados federais. Um deles será o filho do senador, Arnon Collor, atual vice-presidente na América Latina do grupo NBA, liga de basquete americano. O partido espera também as candidaturas à reeleição dos atuais deputados Uldurico Pinto (PV-BA) e Brunny (PR-MG), que foram eleitos em 2014 pelo PTC, mudaram de agremiação e agora negociam o retorno à sigla.

A legenda também traçou como meta eleger de três a quatro senadores em outubro deste ano, pelo Amapá, Rio Grande do Norte e Amazonas. Eles se juntarão a Collor, que, caso não se eleja presidente, terá mandato de senador até 2022. Em Alagoas, a tendência é o PTC repetir a aliança de 2014 e apoiar a reeleição de Renan Filho (MDB) a governador e do pai dele, Renan Calheiros (MDB-AL), a senador.

Réu na Operação Lava Jato, Collor é acusado de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Em agosto de 2017, o Supremo Tribunal Federal (STF) aceitou a denúncia do então procurador-geral da República Rodrigo Janot contra o político. Ele é acusado de ter recebido ao menos R$ 29 milhões em propinas, entre 2010 e 2014. A defesa do senador nega e diz que vai provar sua inocência.

Convite

Tourinho afirmou que a ideia da candidatura de Collor partiu dos dirigentes do PTC. “Já tínhamos feito o convite desde o ano passado. Mas ele estava receoso pelas questões estaduais, uma cautela natural. Agora topou o desafio”, contou. Segundo o dirigente, na volta do recesso parlamentar, ele se reunirá com o senador para traçar as estratégias da pré-campanha e discutir nomes para vice.

O presidente do PTC adiantou que a ideia do partido é lançar o senador como um candidato de “centro-democrático liberal”. “Entendemos que esse centro está órfão de uma liderança de peso”, afirmou. Ele rechaçou o eventual impacto negativo que o impeachment e o pouco tempo de TV poderão ter sobre a candidatura. “Ele foi absolvido pela Justiça depois”, disse. Procurado, Collor informou, via assessoria, que não se pronunciaria. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorSentença de Moro não tem prova consistente, diz Ciro
Próximo artigo‘Não se pode escolher adversário’, diz Alckmin, sobre julgamento de Lula
Paulo Gonçalves Arraes, nasceu em Araripina-PE em 1969, formado em Ciências com habilitação em Biologia pela FAFOPA, com cursos de Instrutor de Trânsito e Diretor de CFC (Auto Escola) pela UPE/Detran-PE, Vereador 1999/2000 (PSB) e 2001/2014 (PPS), Assessoria Política em campanhas eleitorais na Região do Araripe e em 2009 representou Pernambuco no Movimento pela Recomposição das Câmaras de Vereadores no Congresso Nacional em Brasília.