Quanto mais simples e conciso o texto, mais chance terá de ser entendido

Por Inaldo Sampaio

Crítico de Lula, o ex-ministro Ciro Gomes conseguiu traduzir bem o que faltou na sentença de Sérgio Moro condenando o ex-presidente a 9 anos e 6 meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro: uma “prova cabal e simples”.

A sentença do juiz, de 238 páginas e 962 itens, é de difícil compreensão até por parte de advogados, que dirá por quem não têm formação jurídica. Até porque, com raras e honrosas exceções, magistrados acham que, para serem entendidos, suas decisões têm que ser longas e recheadas de citações em Latim, quando a verdade é exatamente o inverso: quanto mais simples e conciso o texto, mais chance terá de ser compreendido.

Na cabeça do juiz paranaense, há 15 provas no processo indicando que Lula é o dono do tríplex do Guarujá, e que o imóvel foi fruto de propina. No entanto, se ele apresentasse uma única prova que fosse entendida pelo povo, a celeuma em torno da sentença seria bem menor.