Uma pesquisa de 40 anos do advogado e escritor pernambucano João Monteiro Neto resultou no livro “Aboio, Poesia, Improviso, Cantoria: Origens”. Segundo João, que também é historiador, a publicação é considerada seu “projeto de vida”, além de um resgate da cultura sertaneja. A obra é a primeira de uma trilogia.

Em entrevista ao Blog do Carlos Britto, o escritor disse que, após ler ‘Os Sertões’ de Euclides da Cunha, sua vontade ficou mais aguçada em saber as origens de várias das manifestações culturais do Sertão nordestino. Os longos 40 anos de pesquisa fizeram João Monteiro rodar o Brasil e o mundo. “Eu fiz uma varredura no norte da África, na Europa, no Oriente Médio e na Ásia. O hinduísmo é a raiz mais antiga que temos das nossas culturas, porque eles (os hindus) desafiavam os deuses e faziam composições de versos mentalmente. Eles diziam que música não era para ser escrita“, conta.

João Monteiro explica que, na tradição, o deus hindu Krishna já “aboiava” o gado, com flauta e em voz. Ainda de acordo com o escritor, essa arte de “orar” com uma nota só era ensinada aos jovens hindus pelos gurus, muitos milênios antes da colonização no Brasil. “Toda a nossa cultura está embasada em quatro religiões, sendo três monoteístas – judaísmo, cristianismo e islamismo – e uma politeísta, que é o hinduísmo, a mais forte, porque fala de vários deuses.

Segundo o escritor, a bagagem do conhecimento hindu é suporte e destaque no início da formação de várias de nossas vivências, usos e costumes. “A arte do improviso, da poesia e cantoria, como da memorização de versos, já era praticada nas escolas, templos, mosteiros e residências hindus em tempos imemoriais e transmitidas oralmente às crianças. Os portugueses ouviram todos esses cantos e ‘transportaram’ esse valioso patrimônio cultural para o Brasil”, explica.

Pesquisa

Questionado se teve dificuldades para conseguir desvendar essas histórias, João Monteiro disse que não existe dificuldades para quem faz as coisas com amor. “Não tive nenhuma dificuldade. Sabe por quê? Porque fiz com amor“, endossa. “É habito, na Índia, você colocar desde cedo a criança nas mãos dos homens santos, os mestres de lá. A primeira lição é pegar aquela criança e fazer com que ela decore, porque só se transmite música oralmente“, afirma.

Lançamento no Sertão

O livro “Aboio, Poesia, Improviso, Cantoria: Origens” já foi lançado no Recife (Região Metropolitana) e Gravatá (Agreste). Mas João Monteiro pretende levar a obra para as principais cidades pernambucanas. Em Petrolina, ainda não tem data marcada, mas já se estuda um grande evento de lançamento.

No próximo dia 20 de julho, o escritor vai ser a grande atração da 4ª edição do ‘Seminário Cariri Cangaço’, que será realizado em Exu, no Sertão do Araripe. O evento reunirá grandes estudiosos da cultura sertaneja. Depois do Brasil, o autor vai levar o livro à Europa.

Por Carlos Britto

COMPARTILHAR
Artigo anteriorMenino de 12 anos morre após ser envenenado em Ipubi
Próximo artigoJovem é morto a tiros em Araripina
Paulo Gonçalves Arraes, nasceu em Araripina-PE em 1969, formado em Ciências com habilitação em Biologia pela FAFOPA, com cursos de Instrutor de Trânsito e Diretor de CFC (Auto Escola) pela UPE/Detran-PE, Vereador 1999/2000 (PSB) e 2001/2014 (PPS), Assessoria Política em campanhas eleitorais na Região do Araripe e em 2009 representou Pernambuco no Movimento pela Recomposição das Câmaras de Vereadores no Congresso Nacional em Brasília.