O ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, informou que o governo está analisando a viabilidade de um projeto de transposição de águas do Rio Tocantins para o São Francisco. A questão foi levantada pelo senador Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) em audiência nesta quarta-feira (23) da Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo (CDR).

O ministro esclareceu que o assunto está sendo tratado de forma discreta pelo governo porque a divulgação de uma iniciativa como esta sem um completo estudo técnico, econômico e ambiental seria “temerário”.

– Temos buscado serenidade neste debate, pois, no Brasil, a pluralidade de opiniões para as soluções hídricas é algo absolutamente sensacional, principalmente no Nordeste, por conta da pressão que essa pauta traz – afirmou.

Segundo ele, há uma série de questões a serem analisadas, que vai do impacto da obra até o custo operacional, depois que o sistema estiver em funcionamento. Helder explicou que há desnível acentuado entre a captação e a entrega da água, o que implica alto custo de energia para o bombeamento.

– Estamos falando de uma estimativa de custo de operação de R$ 500 milhões por ano, dos quais R$ 300 milhões só para energia. Pegar uma água do Rio Tocantins e elevá-la a mais de 300 metros para o São Francisco gera uma conta de energia que será um agravante. Também é preciso ver a questão ambiental. A ictiofauna é diferente, há variações das espécies existentes. Estamos enfrentando esse assunto e assim que tivermos a conclusão vou informar a todos – resumiu.

O ministro da Integração participou de reunião na comissão para tratar das obras Eixo Norte e do Ramal do Apodi (PB), que fazem parte do projeto de transposição do Rio São Francisco. Questões relativas à revitalização também foram abordadas.

Por Anderson Vieira

COMPARTILHAR
Artigo anteriorMédica Celina Turchi recebe Título de Cidadã Pernambucana
Próximo artigoNaufrágio na Bahia tem 18 vítimas confirmadas
Paulo Gonçalves Arraes, nasceu em Araripina-PE em 1969, formado em Ciências com habilitação em Biologia pela FAFOPA, com cursos de Instrutor de Trânsito e Diretor de CFC (Auto Escola) pela UPE/Detran-PE, Vereador 1999/2000 (PSB) e 2001/2014 (PPS), Assessoria Política em campanhas eleitorais na Região do Araripe e em 2009 representou Pernambuco no Movimento pela Recomposição das Câmaras de Vereadores no Congresso Nacional em Brasília.