O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Claudio Lamachia, pediu a abertura dos áudios que citam ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), revelados nesta segunda-feira (4/8) pela Procuradoria-Geral da República (PGR).  As gravações de quatro horas foram feitas por executivos da JBS e entregues, por engano, ao Ministério Público.

Segundo o ministro Luís Roberto Barroso declarou à imprensa, “o Supremo ainda está tentando entender o que aconteceu.” Ele se refere à suposta citação dos ministros Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Cármen Lúcia, a presidente do órgão.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, diz que os áudios têm “citações íntimas que poderiam expor a vida das pessoas”, mas ele qualificou o material como “gravíssimo”.